Mulher de 61 anos apresenta síndrome rara que produz álcool em sua bexiga

De acordo com o os médicos que a diagnosticaram, ela sofria de “urinary auto-brewery syndrome”, em português síndrome da fermentação urinária.

Uma mulher de 61 anos e que apresentou cirrose e diabetes e que tinha em sua urina um alto nível alcoólico foi colocada na lista de espera para transplante de fígado. 

Segundo o jornal Annals of Internal Medicine, onde seu caso foi contato, os médicos responsáveis pelo transplantes no primeiro hospital visitado por ela a aconselharam a participar de um programa de tratamento para alcoólatras, suspeitando que a idosa tivesse mentido sobre  não beber. 

No entanto, o cenário era bem diferente do que o imaginado pelos especialistas. Eles descobriram que quem estava produzindo o tanto álcool identificado nos exames era a própria bexiga da mulher, o que ocasionou um grave quadro de cirrose. 

De acordo com o os médicos que a diagnosticaram, ela sofria de “urinary auto-brewery syndrome”, em português síndrome da fermentação urinária.

O que causava a questão era o fato de um grave acúmulo de fermento no intestino, que convertia o açúcar dos alimentos em álcool e, no caso dela, produzia a urina alcoólica. 

Ainda de acordo com os médicos o diabetes mal controlado também pode ter influenciado no desenvolvimento da cirrose. Principalmente porque a condição permite altos níveis de açúcar no sangue, o que pode ter alimentado um crescimento excessivo de fermentação na bexiga da mulher.

Só após os testes comprovarem a doença a mulher pôde, enfim, entrar na fila para um transplante de fígado. 

Falta de reconhecimento mundial 

A Síndrome da Fermentação Urinária ainda não é um consenso entre a comunidade médica. Em uma revisão literária publicada no ano de 2000 a conclusão sobre a síndrome é incerta. “Até o momento nenhum dos estudos publicados que apoiam a teoria resistiu a um exame minucioso”.

Entretanto, desde a época até os dias atuais, estudos de casos e reportagens pelo mundo identificaram casos suspeitos da síndrome. Segundo a médica Barbara Cordell, que falou à BBC News, nos últimos dois anos , ela recebeu entre 500 e 600 telefonemas de pessoas que dizem que sofrem com o quadro e mantém contato com cerca de 200 que foram diagnosticados.

“O fato de não haver muitos diagnósticos não implica que a condição não tenha sido documentada”, explica Cordell, que recentemente escreveu um livro chamado Meu intestino produz álcool. Na publicação, ela descreve alguns dos casos aos quais teve acesso.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias do Site Por Dentro da Notícia em primeira mão. Clique em curtir no endereço baixo https://www.facebook.com/pordentrodanoticiaoficial/?ref=bookmarks

Next Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Proibida a cópia. Entre em contato conosco